sábado, 5 de agosto de 2017

Acróstico subliminar


Acróstico Subliminar




Me dei o direito de rebelar-me, de parar o tempo:
Permito que nuvens escuras se cheguem, esquecendo o tormento...
Sonhar é preciso, amar é imperioso, dialogar é sempre o momento,
Com nuvens claras, escuras, raios e trovões; com a madrugada.
Um momento de paz em meio a tantas emoções represadas.
Mundo hostil, em que a noite esconde o mal e o ressentimento,
Regado a tristes enredos, decepções, violência, tristeza, o medo.
Por instantes, nos abraçamos e a lua, que se insinua, afasta o vento.
Gentilezas, abraços, alegria e amor são trocados, em catarse, em segredo...

Jane Moreira



Fantasia






Um soneto livre

Fantasia

Vesti-me de fada, para mim, factível
Visitei meus jardins que antes eram segredo
Sonhei com o encantamento impossível,
Que realizei sem pudores, meu ideal, sem medo.

Eu, fada, no mundo de leveza e paz,
Abracei o amor e, em seu calor, me aqueci;
Beijei a brisa com todo o ardor de que sou capaz
E me saciei a cada gota de orvalho que sorvi.

E veio o sol que expulsou a noite e meu sonho,
A fada, jardins, amor ficam mais e mais distantes
E eu esqueço a delicadeza e me recomponho

Se eu puder capturar a madrugada, por um instante,
Faço o tempo parar e minha fantasia a todos exponho
E decreto que o mundo valerá a pena de agora em diante...


Jane Moreira