sábado, 16 de junho de 2012

Não




Não...
Eu não quero ver o amor morrer
E jamais vou me endurecer.
Eu quero a paz de um amanhecer.

Não...
Eu não quero perder a vontade,
Nem quero sentir saudade.
Eu quero o bálsamo de uma amizade.

Não...
Eu não quero uma simples miragem.
Quero fugir do mundo selvagem
E lutar como os que têm coragem.

Não...
Eu não quero ver, da água, a escassez.
E nem da terra a aridez.
Eu quero o fim da estupidez.

Não...
Eu não quero saber de violência...
Das guerras, guerrilhas, eu quero a falência...
E que vença do amor e da paz a essência...



Jane Moreira