sábado, 21 de abril de 2012

Cores perdidas


Cores perdidas


Quando no deserto de qualquer emoção,
no tempo em que perdi certezas,
a vida era sem sentido, sem razão.
Naqueles dias, sinistros, sem beleza,
perdi as cores, mas não as dores
e foi em preto-e-branco que vivi.
Filme cult que quero esquecer:
As cores do mundo que um dia perdi.

Jane Moreira




Canção em uníssono






Canção em uníssono

Ouço a singela canção,
que não sei de onde vem...
Pode vir das ondas do mar...
Pode vir do meu coração
e do som dos amores também.

Sinto a doçura da canção
e a ternura que se espalha no ar.
Sei que não é ilusão
somos um só no espaço a vibrar...
E eu me junto à canção.

Sinto a cor da canção
e estou em plena sintonia
com o ar, a terra e o mar,
com os bichos da natureza,
com as flores, eterna beleza...

Sinto o perfume da canção
que se espalha no ar
Minha canção é o som
da terra, do ar e do mar
É som de vida e harmonia.

Jane Moreira



A moça na janela






A moça na janela

Toda noite
 ela está debruçada na janela.
Tem no olhar
o aço que nos congela.
Olhar distante,
tão amargo e tão frio...
Olhar perdido,
sofrido e vazio,
que parou
no espaço e no tempo,
lá, onde tudo foi tormento...

Jane Moreira





De aço e cristal




Meu amor é de cristal,
Por ser belo e sensual.
E é forte, revestido de aço,
Por ser da terra e do espaço.

É de hoje e é de antes,
É a certeza de seguir adiante...
Porque fez, de nós dois, outros pedaços:
Inteiros, símbolos de amor verdadeiro.

Jane Moreira